15 de jul de 2009

Confiança no medico equilibra sua saúde

Um novo estudo, mostra pela primeira vez, que a atenção do médico pode ser uma excelente forma de apressar a cura. De acordo com um estudo publicado em julho na edição Medicina da Família, da Faculdade de Medicina e Saúde Pública da Universidade de Winsconsin, pessoas recuperam-se de uma gripe comum mais rapidamente, se elas acreditam que o médico mostre uma grande atenção para com sua doença.
O estudo conduzido inicialmente em ambulatórios no sul de Wisconsin, envolveu 350 participantes que tinham três tipos de encontros com os médicos – sem nenhuma interação, um encontro padrão com discussão da história médica do paciente e a doença atual, e de um encontro mais avançado quando o médico faz mais perguntas e mostra-se mais interessado ou preocupado com o paciente.

Os pacientes então avaliaram os médicos em um questionário que perguntava se o médico fez com que ele se sentisse bem, permitiu que ele contasse sua história, ouviu o que ele tinha para dizer, entendeu suas preocupações, agiu de forma positiva, explicou as recomendações claramente, ajudou-o a se controlar, e ajudou-o a criar um plano de ação. Os 84 pacientes que deram as melhores médias aos médicos foram capazes de ficarem curados de sua gripe um dia antes daqueles pacientes que deram médias mais baixas aos médicos, como foi averiguado na pesquisa.

Ao medir a imunidade das células coletadas de secreção nasal, os pesquisadores também verificaram que naqueles pacientes que deram uma média ótima aos médicos melhoraram sua resistência a gripe em 48 horas após sua primeira visita. “Isto mostra que se você percebe o interesse do seu médico, poderá influenciar seu sistema imunológico e ajudar a recuperar-se mais rapidamente de um resfriado comum, disse David.

Para Rakel, doutor em medicina diretor da medicina integrante e o chefe pelo estudo, em um desacordo com tudo que temos estudado – zinco, vitamina C, remédios anti-virais – nada foi melhor na luta contra a gripe do que ser generoso com as pessoas. “A chave é que o paciente tem que perceber o interesse do médico”, ele acrescenta.

A pessoa deve sentir o interesse de outra pessoa por si. O indivíduo precisa achar que o clínico em que ele acredita pode realizar uma relação de progresso terapêutico. Isso também enfatiza a importância dos primeiros cuidados, onde cada indivíduo desenvolve uma colaboração e relação com clínico durante todo o tempo necessário.

Rakel disse que uma interação positiva com os médicos pode encorajar os pacientes a depender menos dos remédios contra gripe. Os remédios anti-gripe reduzem a duração de uma gripe comum, mas eles têm sérios efeitos colaterais como náusea e distúrbios gastro-intestinais, disse. Ser gentil com as pessoas não tem efeitos colaterais e pode melhorar outros aspectos da vida. O paciente pode ir para casa e tratar seu companheiro(a) por causa daquele clínico.

De acordo Rakel, a ideia de usar reforço positivo para tratar pacientes está sendo usada agora na Universidade de Winconsin com os futuros doutores. “Nós estamos tentando criar um entendimento em nossos estudantes de medicina que pode ter um efeito positivo tudo o que eles prescreverem baseados em como eles relacionam-se a outro ser humano. Isto não e artifício. E como ativar os mecanismos de cura do corpo”, termina. [Science Daily]

Cérebro de alguém com Alzheimer - Direito

Cérebro de alguém com Alzheimer - Direito

MEUS BLOGs