23 de dez de 2010

Alzheimer - descoberto diagnóstico precoce

Essa semana fomos surpreendidos com a notícia que exames de punção lombar combinada com a ressonância magnética do cérebro podem revelar início dos sintomas da demência, em particular - Alzheimer.

A doença afeta mais de 20 milhões de pessoas em todo o mundo e tende a crescer a cada dia assustadoramente. 

Investigadores britânicos anunciaram ter encontrado uma forma de detectar Alzheimer anos antes dos primeiros sintomas surgirem, o que era praticamente impossível, pois a demência do tipo Alzheimer podia ser confundida com outro tipo de demência ou enfermidade que apresentasse as mesmas características iniciais, tais como, depressão, cansaço, desanimo, perda das funções cognitivas numa escala gradual.

Muitas enfermidades apresentam esses sintomas iniciais, de que algo está muito errado!

Os exames dos cientistas do Instituto de Neurologia da Universidade de Londres (College University) verificaram duas coisas: se o cérebro está encolhendo e a presença de níveis baixos de uma proteína, a amiloide, no líquido cérebro-espinhal, que envolve o cérebro e a espinal-medula, segundo explica a britânica BBC. 

A equipe do Instituto de Neurologia londrino acredita que detectando os primeiros sintomas da  demência do tipo Alzheimer - na sua fase inicial, a administração, mais cedo, de medicamentos próprios, poderiam retardar ou cessar o desenvolvimento da mesma, levando o paciência a uma vida sem dependência de terceiros para as atividades cotidianas.

Para confirmar esta teoria, a equipe recrutou 105 voluntários saudáveis. Os resultados revelaram que os cérebros dos indivíduos com baixos níveis de amiloide (38% do grupo) encolhem duas vezes mais rápido do que os restantes voluntários. 

Estes indivíduos tinham 5 vezes mais probabilidades de ter o gene APOE4 (do Alzheimer) e apresentavam altos níveis de uma outra proteína identificada nos casos da doença, a tau. 

Embora seja cedo para saber se algum destes voluntários vai desenvolver Alzheimer, os investigadores acreditam que as suspeitas podem ser confirmadas no futuro e, assim, permitir quais medicamentos irão atrasar ou prevenir a demência.

Lembrando sempre:
Por mais que a ciência investigue soluções para retardar ou parar ou melhorar a vida desses enfermos, temos que focar no seguinte.

TODO SINTOMA É RESULTADO DE UMA DESARMONIA NO AMBIENTE.

Os sintomas apenas estão dizendo que o indivíduo não quer mudar sua forma de ver o mundo. Prefere que o MUNDO mude. E se o mundo não fizer o que ele quer... então ele elegerá um mundinho onde se encontra seguro e protegido, sem necessidade de ser agredido diariamente pelo ambiente.

Espero sinseramente que todos entendam como a doença funciona, pois estamos fugindo das nossas responsabilidades e mergulhando em doenças cada vez mais irremediáveis...

enfermidade é INFORMAÇÃO desordenada! 








Cérebro de alguém com Alzheimer - Direito

Cérebro de alguém com Alzheimer - Direito

MEUS BLOGs